Deficientes e a síndrome da desesperança. Você tem esse diagnóstico? - Território Deficiente
Inscreva-se grátis para receber nossas novidades e atualizações!

Deficientes e a síndrome da desesperança. Você tem esse diagnóstico?

Esse artigo pode chegar a mais de 50 milhões de deficientes!!! Pratique a Inclusão, Compartilhe esse Post.
Compartilhe
Deficientes e a síndrome da desesperança. Você tem esse diagnóstico?

Queremos começar essa postagem com um trecho de uma música bastante conhecida, que particularmente eu gosto muito e tem tudo a ver com o tema escolhido para discorrermos hoje.

Deficientes e a síndrome da desesperança. Você tem esse diagnóstico?

“E deixa a vida me levar (vida leva eu)
Deixa a vida me levar (vida leva eu)
Deixa a vida me levar (vida leva eu)
Sou feliz e agradeço por tudo que Deus me deu”

A sociedade impõe que a pessoa com deficiência seja um fantoche, digo faça apenas o que ela acha e é possível. Vou dar um exemplo que aí fica mais fácil de entender, assim, não importa a idade que você tenha, alguém vai te levar ao parque, para tomar sol, que faz bem e para se distrair um pouco, afinal é chato ficar só casa!!! 

Mas ninguém te perguntou se você quer ir ao parque ou quer ir a outro lugar, tipo, uma balada, um bar, para beber ou você quer mesmo é beijar na boca, transar. Quem nunca acordou com vontades como essas?

Aí, lógico, surge a síndrome da desesperança, nada acontece, não posso fazer nadaaaaa!!! Todas as pessoas com deficiência algum dia na vida, já passaram por isso, não precisa se tão radical como o exemplo que dei, apesar de acontecer em vários casos, já falaram para minha mãe que ela estava gastando dinheiro com escola para mim, atoa, pois eu não seria nada mesmo...

Então é algo que fica meio implícito, a gente sente isso no ar, quem tem uma deficiência, sabe muito bem o que estou falando e quem não tem, provavelmente, já pensou algo desse gênero. Eu penso muito sobre a desesperança, eu sinto em alguns momentos, sonho em ter um filho, porém vire mexe, aquele sentimento de incerteza, será que vou conseguir, devido a minha deficiência?

O que você vai fazer da sua vida, já que tem uma deficiência e por isso acredita que a sua vida está condenada? Não pode estudar, trabalhar, namorar, casar, sonhar, ter prazer com a vida!!!  Bom, vamos lá, primeiro ponto, você só tem uma deficiência, é fogo, enche o saco, é um porre. 

Sim, é tudo isso e mais um pouco, porque não é fácil e nem um pouco interessante, porém não é o fim do mundo, não é uma condenação a pena de morte!!! Pense sobre isso, reflita. Vamos continuar, segundo ponto, olhe para a sua deficiência, veja o que ela te limita realmente, o que você acha que ela te limita, mas que na verdade é você que não se permite a tentar, experimentar. 


Deficientes e a síndrome da desesperança. Você tem esse diagnóstico?

Outra, tem certas coisas que você pode adaptar, exemplo, não dá para jogar vídeo game com a mão, tenta com o pé, com o nariz, com o joelho, com a cabeça, sei lá com o que, mas tenta, inventa, crie!!!

Agora, quero falar uma coisa que eu considero difícil, até porque meio que somos induzidos a acreditar que devemos mesmo deixar a vida nos levar e aí, caímos na zona de conforto, e ai, ferrou!!! Não é fácil sair dela, tomar posse da própria vida, ter vontades, desejos, ter voz ativa, mostras quem é você, de fato!!!

Você deve tá pensando, como assim, não tem jeito a minha vida na tem outro caminho, a deficiência é uma droga mesmo, porém não tem como fugir dela, eu acho. Caso alguém saiba algum modo de ficar livre dela, por favor, me conta, quero muito!!! Falando sério agora, vai contudo, mostra a sua cara, o que  você pretende, deseja, lute, busque. 

Deixe a vida te levar, mas para onde você quiser. Sambe diante da vida, ela é demais, só temos que aprender a lidar com ela e aproveitar!!! Voltando lá no início do texto,  onde usei uma problemática minha, gravidez, eu vou conseguir? Não sei, no entanto eu vou tentar, vou enfrentar várias situações chatas, difíceis, que para mim, sinceramente, seria mais fácil, desistir e ficar na minha zona de conforto. 

O pessoal me achando o máximo, pelas baboseiras da sociedade, por acreditar que eu sou uma superação, heroína e sei lá mais o que, só porque fiz e faço coisas, que o pessoal achou que seria impossível eu fazer. Não, eu quero buscar os meus sonhos, meus desejos, quero me realizar como profissional, mulher e mãe!!!

A sociedade não vai impor como eu tenho que viver!! É essa imposição que gera a síndrome da desesperança, não acredite, mesmo que seja tentador, mais viável, mais confortável!!!


E deixa que eu leve  (eu levo a vida)
Deixa que eu leve (eu levo a vida)
Deixa que eu leve (eu levo a vida)
Sou feliz e agradeço por tudo que Deus me deu


Curta a nossa página no facebook para ficar sempre por dentro das novidades, assine o território deficiente em "ASSINE" e compartilhe essa postagem com os amigos (as). Até a próxima!

Essa postagem é exclusiva, não cometa crime de plágio!!! Cite a fonte e o link do blog pelo qual fez uso do artigo.
4 comentários via Blogger
comentários via Facebook

4 comentários:

  1. Há várias outras coisas que você não citou, como viajar, ir à praia, jogar bola, correr ou até andar. Sim coisas básicas que com o tempo nos revolta, pois às vezes questionamos a vida e cobramos muito, porque razão fomos escolhidos a nascer assim? Não sabemos o motivo mais chega uma certa idade que às vezes pensamos que a coisa melhor seria a morte.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Por isso que vejo com tanta importância esse espaço, também passo por isso e muita das vezes parece mesmo que a morte é a solução, mas acredite não é!!! Mas vamos em frente amigo ou amiga, a noite é mais escura perto do amanhecer.

      Excluir
  2. "surge a síndrome da desesperança, nada acontece, não posso fazer nadaaaaa!!! "
    Nem é preciso ter alguma deficiência. Sou "saudável" e passo por isso todos os dias.

    ResponderExcluir
  3. Pois é amigo (a) a desesperança é real e cruel, esperamos estar ajudando nesse caso com os textos que publicamos constantemente nesse blog.

    ResponderExcluir

Parceiros do Território