Pessoas Carentes com Deficiência terão Passe Livre em Aviões, Garante Projeto - Território Deficiente
Colabore com o Blog. Faça uma doação! Ajude na manutenção desse projeto.

Pessoas Carentes com Deficiência terão Passe Livre em Aviões, Garante Projeto

COMPARTILHE COM SEUS AMIGOS (AS) PARA AJUDAR NO CRESCIMENTO DO BLOG TERRITÓRIO DEFICIENTE.
Compartilhe
Pessoas Carentes com Deficiência terão Passe Livre em Aviões, Garante Projeto

Projeto que amplia a gratuidade no transporte coletivo para pessoas com deficiência de baixa renda avança  no senado. A Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa (CDH) aprovou o PL 1.252/2019, da senadora Mara Gabrilli (PSDB-SP), que garante a concessão de passe livre também no transporte aéreo.

Pessoas Carentes com Deficiência terão Passe Livre em Aviões, Garante Projeto

Atualmente, a pessoa com deficiência e acompanhante considerados carentes fazem jus à gratuidade no transporte coletivo interestadual, por força da Lei 8.899, de 1994 (Lei do Passe Livre), mas, conforme aponta a senadora, sua regulamentação é feita através do Decreto 3.691, de 2000, e por portarias. 

A ideia do projeto é também incluir os principais parâmetros de como aplicar a gratuidade no texto da própria lei. De acordo com a autora, uma portaria interministerial de 2001 assegurou os direitos somente ao sistema de transporte coletivo interestadual em suas modalidades rodoviária, ferroviária e aquaviária, sem mencionar o transporte aéreo.

“Com essas alterações legais, não mais poderá ser recusado o acesso da pessoa com deficiência em ônibus leito ou semi-leito, por exemplo, nem será impedida a pessoa com deficiência carente de viajar em aeronave, quando tal significar sua melhor ou única opção”, diz Mara Gabrilli na justificativa do projeto.

A versão aprovada pela CDH é um substitutivo do relator, senador Romário (Pode-RJ), que deixou explícito no texto que os veículos de transporte coletivo terrestre, aquaviário e aéreo, ou de qualquer outro modal, deverão reservar assentos gratuitos para pessoas com deficiência de baixa renda.

Romário também deixa explícito no substitutivo que no caso do transporte rodoviário, a gratuidade definida no artigo 46-A da Lei Brasileira de Inclusão (Lei 13.146, de 2015) abrange as categorias convencional, econômica, leito, semi-leito e executiva ou outras de igual natureza que venham a ser estabelecidas.

“A proposição resolve esses problemas, evidenciado o objetivo da lei num texto mais detalhado, no qual é definido que o direito abrange todas as modalidades de transporte coletivo”, explicou o senador. Já em relação a venda dessas vagas para outros passageiros, o relatório de Romário define que caso os assentos não venham a ser solicitados até 48 horas antes da partida do veículo, poderão ser revendidas pelas empresas aos demais usuários.

Assim como no texto original, o senador manteve o prazo de 180 dias para que a lei entre em vigor após a sua promulgação. O projeto segue para análise da Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) em caráter terminativo.

☛ Nós sabemos que no Brasil existe uma distância muito grande entre a teoria e a prática. O que você pensa sobre isso? E o que achou dessa iniciativa? Comente logo abaixo.

Quer saber mais sobre leis e direitos das pessoas com deficiência? Clique aqui.

Curta a nossa página no facebook para ficar sempre por dentro das novidades, assine o território deficiente em "ASSINE" e compartilhe essa postagem com os amigos (as). Até a próxima!

Fonte: Senado Federal
0 comentários via Blogger
comentários via Facebook

Nenhum comentário:

Parceiros do Território